O que pode o corpo? Spinoza, na cabeceira dos esfolados

##plugins.themes.bootstrap3.article.main##

Raphaële Andrault

Resumo

Tradução de Pedro H. G. Muniz
“Ninguém ainda determinou o que pode o corpo”. Alguns leitores da Ética entenderam esta sentença enigmática como a expressão da desconfiança de Spinoza em relação ao conhecimento médico. Segundo esta leitura, Spinoza consideraria o corpo humano como dotado de habilidades plásticas ou habilidades de inovação para as quais o quadro cartesiano estreito das ciências médicas de seu tempo não seria capaz de contabilizar. Neste artigo, argumento contra essa leitura levando em consideração as dissecções anatômicas que Spinoza atendeu e os livros médicos que ele leu. O objetivo deste artigo então é duplo: 1 / dar uma leitura histórica da representação analítica de corpos complexos que Spinoza endossou; 2 / contribuir para a discussão sobre as possíveis relações entre a interpretação semântica dos textos filosóficos e o estudo histórico do seu meio cultural.

##plugins.themes.bootstrap3.article.details##

Como Citar
ANDRAULT, Raphaële. O que pode o corpo? Spinoza, na cabeceira dos esfolados. O que nos faz pensar, [S.l.], v. 26, n. 41, feb. 2018. ISSN 0104-6675. Disponível em: <http://oquenosfazpensar.fil.puc-rio.br/index.php/oqnfp/article/view/583>. Acesso em: 17 aug. 2018.
Seção
Artigos