As conversões de Friedrich Schlegel: filosofia política como mística do tempo

##plugins.themes.bootstrap3.article.main##

Fabiano Lemos

Resumo

Ao se converter ao catolicismo, em 1808, Friedrich Schlegel, figura central do Romantismo de Jena, assumiu posições políticas e filosóficas muito diferentes daquelas desenvolvidas em seus textos anteriores. Este artigo investiga se e sob que condições podemos ainda supor certas continuidades epistemológicas e ideológicas entre os dois períodos. Para tanto, é abordada a complexidade da filosofia da história veiculada através da própria ideia de conversão e se tenta mostrar que, a partir dela, o esforço de leitura retrospectiva da história empreendido pelo próprio Schlegel em muitos de seus textos tardios ilustra a questão do destino do Romantismo alemão.

##plugins.themes.bootstrap3.article.details##

Como Citar
LEMOS, Fabiano. As conversões de Friedrich Schlegel: filosofia política como mística do tempo. O que nos faz pensar, [S.l.], v. 26, n. 41, apr. 2018. ISSN 0104-6675. Disponível em: <http://oquenosfazpensar.fil.puc-rio.br/index.php/oqnfp/article/view/600>. Acesso em: 17 aug. 2018.
Seção
Varia