Ética do impossível: uma reflexão a partir da desconstrução

##plugins.themes.bootstrap3.article.main##

Veronica Pilar Zevallos

Resumo

Neste artigo pretende-se apresentar uma outra leitura sobre as questões éticas – hospitalidade, acolhimento, justiça – sob a perspectiva do impossível: uma ética do impossível. Através de uma análise interpretativa de algumas das obras de Jacques Derrida, a perspectiva da Ética do impossível, aqui apresentada, perpassa o questionamento sobre uma tal ausência que permita manter o outro inacessível ou, como ‘condição’ de im/possibilidade da relação com o outro; também denominada como ‘uma relação sem relação’ para além do presente ou da mera aparência. Assim, a possibilidade da uma presença plena é colocada em questão. Adverte-se que este pensamento não nega a presença do outro, mas coloca em questão a supremacia dada à presença na tradição filosófica, em detrimento da ausência. Do mesmo modo, não se pretende uma inversão dos termos – a ausência em supremacia à presença –, mas uma alternância dos termos, um jogo entre ausência e presença no agir frente ao outro. A responsabilidade perante o outro não como imposição ou à força, mas como abertura e acolhimento ao cada vez outro. A cada vez outro, pois ultrapassa o tempo presente para o tempo porvir, sempre porvir, uma disjunção do tempo entre o que se ausenta e se apresenta sem totalizar de antemão.

##plugins.themes.bootstrap3.article.details##

Como Citar
ZEVALLOS, Veronica Pilar. Ética do impossível: uma reflexão a partir da desconstrução. O que nos faz pensar, [S.l.], v. 28, n. 44, p. 170-189, july 2019. ISSN 0104-6675. Disponível em: <http://oquenosfazpensar.fil.puc-rio.br/index.php/oqnfp/article/view/626>. Acesso em: 09 mar. 2021. doi: https://doi.org/10.32334/oqnfp.2019n44a626.
Seção
Varia