Desvios de uma escolha original: Foucault e as políticas da filosofia

##plugins.themes.bootstrap3.article.main##

Jean Dyêgo Gomes Soares http://orcid.org/0000-0003-1096-9686

Resumo

Seria a filosofia só mais uma disciplina do currículo ou uma escolha original? Esse artigo discute alegações de Foucault na década de 70, especialmente em entrevistas, em que define o que são a filosofia, o filósofo e suas relações, i.e., quais as políticas da filosofia. Para tanto, recorre-se aqui a improvisos do autor sobre assunto: o programa de filosofia aparece como sonhado fantasticamente por um “Borges chinês”; a formação inovadora na universidade de Vincennes seria uma “armadilha”; haveria filósofos, mas não filosofia; ela teria perdido seu poder subversivo ou seu caráter de escolha original em determinadas sociedades. Ao discutir os caminhos dessa reflexão revigorante, sugerimos como ele escapa de diversas armadilhas e enfatiza a importância de se pensar politicamente o que é a filosofia. Por fim, espera-se com essa leitura avançar menos na direção de uma definição cabal de filosofia e mais em defender sua prática como uma atividade autônoma, sui generis, responsável pela resistência social da arte de refletir.

##plugins.themes.bootstrap3.article.details##

Como Citar
GOMES SOARES, Jean Dyêgo. Desvios de uma escolha original: Foucault e as políticas da filosofia. O que nos faz pensar, [S.l.], v. 29, n. 46, p. 231-255, july 2020. ISSN 0104-6675. Disponível em: <http://oquenosfazpensar.fil.puc-rio.br/index.php/oqnfp/article/view/650>. Acesso em: 27 oct. 2020. doi: https://doi.org/10.32334/oqnfp.2020n46a650.
Seção
Varia