Fazer universidade como quem faz escola: virtualidades da filosofia para crianças ao leme de um mestrado

##plugins.themes.bootstrap3.article.main##

Magda Costa Carvalho

Resumo

Depois de quase uma década de atividades de formação, investigação e divulgação na área da filosofia para crianças2 (fpc), (s)urgiu na Universidade dos Açores um curso de Mestrado em Filosofia para Crianças. Podendo parecer apenas mais um ciclo de estudos universitários registado na área científica da filosofia, cremos que o Mestrado se tem tornado um caso de estudo por aquilo que tem permitido pensar sobre o que pode a fpc quando toma conta da universidade. Não só a fpc tem sido feita pelo Mestrado, como o próprio Mestrado tem sido conduzido pela fpc. E, com ele, um diferente modo de estar em universidade parece emergir e revelar aos envolvidos a atenção a aspetos que o convencionalismo académico nem sempre acalenta. A presente reflexão procura ventilar algumas ideias em torno deste processo e, sem qualquer pretensão de fixar cânones ou fazer a apologia de um produto acabado, apresentar considerações que nos parecem poder marcar um momento decisivo no modo de estar em universidade. Consideramos que, depois de se vivenciar um mestrado a partir da fpc, nem a filosofia pode mais ser entendida da mesma forma, nem tão pouco a universidade. O que tem, então, a fpc que pode transformar aquilo em que toca?

##plugins.themes.bootstrap3.article.details##

Como Citar
CARVALHO, Magda Costa. Fazer universidade como quem faz escola: virtualidades da filosofia para crianças ao leme de um mestrado. O que nos faz pensar, [S.l.], v. 28, n. 44, p. 21-37, july 2019. ISSN 0104-6675. Disponível em: <http://oquenosfazpensar.fil.puc-rio.br/index.php/oqnfp/article/view/669>. Acesso em: 09 mar. 2021. doi: https://doi.org/10.32334/oqnfp.2019n44a669.
Seção
Artigos