Colapso climático e a destruição do futuro

##plugins.themes.bootstrap3.article.main##

Rafael Mofreita Saldanha http://orcid.org/0000-0001-6315-9228

Resumo

Pretende-se explorar aqui alguns efeitos do colapso climático sobre nossa experiência do tempo. A hipótese aqui levantada é que as alterações antrópicas da estabilidade da Terra afetam a maneira como nos relacionamos com o futuro, pois a própria ideia de futuro se encontraria comprometida. Partiremos da noção de “estratos do tempo,” elaborada por Koselleck, para pensar em que medida essa crise afeta a nossa experiência do tempo. Antes disso era possível pensar a nossa experiência do tempo e da história como sendo construída a partir de certas repetições que serviam como fundo para acontecimentos. O colapso climático põe em questão essa imagem de um fundo, já que as repetições tomadas como naturais passam a ter seus ritmos alterados. Ao final do artigo, esboçaremos a proposta de uma espécie de disposição temporal alternativa, possibilitada por alguns elementos do pensamento ameríndio a partir de Danowski e Viveiros de Castro.

##plugins.themes.bootstrap3.article.details##

Como Citar
SALDANHA, Rafael Mofreita. Colapso climático e a destruição do futuro. O que nos faz pensar, [S.l.], v. 29, n. 47, p. 171-191, dec. 2020. ISSN 0104-6675. Disponível em: <http://oquenosfazpensar.fil.puc-rio.br/index.php/oqnfp/article/view/705>. Acesso em: 27 nov. 2021. doi: https://doi.org/10.32334/oqnfp.2020n47a705.
Seção
Artigos

Referências

ARANTES, P. O novo tempo do mundo. São Paulo: Boitempo Editorial, 2014.
BENANAV, A. Automation and the future of work. Londres: Verso Books, 2020.
CHAKRABARTY, D. “O clima da história: quatro teses”. Sopro, vol. 91, p. 8. jun. 2013. Disponível em: . Acesso em: 14 set. 2017.
COSTA, A. Guerra e paz no Antropoceno: uma análise da crise ecológica segundo a obra de Bruno Latour. Rio de Janeiro: Editora Autografia, 2017.
COSTA, A. Cosmopolíticas da Terra: Modos de existência e resistência no Antropoceno. 2019. 304. Tese (doutorado) – Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro, Departamento de Filosofia, 2019.
CRUTZEN, P; STOERMER, E. “The ‘Anthropocene’”. IGBP Newsletter. Vol. 41, maio 2000. Disponível em: . Acesso em: 14 set. 2017.
DANOWSKI, D; Viveiros de Castro, E. Há mundo por vir?. Florianópolis: Cultura e Barbarie, 2014.
KOSELLECK, R. Estratos do tempo. Rio de Janeiro: Contraponto Editora, 2014.
IRELAND, A. The poememenon: form as occult technology. 2017. Disponível em: . Acesso em 14 set. 2017
LATOUR, B. Facing gaia. Cambridge: Polity Press, 2017.
LÉVI-STRAUSS, C. O pensamento selvagem. São Paulo: Papirus Editora, 2012.
LOVELOCK, J. The vanishing face of Gaia: a final warning. Nova Iorque: Basic Books, 2009.
SCHELLING, F. Ideas for a philosophy of nature. Cambridge: Cambridge University Press, 1988.
SRNICEK, N.; WILLIAMS, A. Inventing the future: postcapitalism and a world without work. Londres: Verso Books, 2016.
STENGERS, I. No tempo das catástrofes. São Paulo: Cosac Naify, 2015.
VIVEIROS DE CASTRO, E. Metafísicas canibais. São Paulo: Cosac Naify, 2015.