O que nos fazem pensar Exu e Criolo?

##plugins.themes.bootstrap3.article.main##

Alexandre de Oliveira Fernandes http://orcid.org/0000-0002-1556-4373

Resumo

Dialogo com a Tese de doutoramento intitulada “Nos (Des)Caminhos da Exu: poética: As encruzilhadas afrossurrealistas da criação de Criolo”. Produzo comentários à moda de Roland Barthes e enxerto minha leitura à tese, buscando um efeito de transbordamento textual. No presente texto que não é mais do que um possível prefácio ou uma nota de rodapé, para refletir sobre a tese em tela, utilizo-me de uma “an-arquitetura” derridiana e, ao seguir os rastros da escritura de Andrade, componho um pensamento outro nos limites da forma de pensar, de articular e de escrever uma tese. Trata-se de uma “promessa” sustentada por um texto-comentário, um “enxerto” generalizado, cujo movimento não tem começo, não tem fim nem certezas que não sejam contingenciais, acenando para “um discurso outro”.

##plugins.themes.bootstrap3.article.details##

Como Citar
FERNANDES, Alexandre de Oliveira. O que nos fazem pensar Exu e Criolo?. O que nos faz pensar, [S.l.], v. 29, n. 47, p. 150-170, dec. 2020. ISSN 0104-6675. Disponível em: <http://oquenosfazpensar.fil.puc-rio.br/index.php/oqnfp/article/view/734>. Acesso em: 27 nov. 2021. doi: https://doi.org/10.32334/oqnfp.2020n47a734.
Seção
Artigos

Referências

ANDRADE, Lucas Toledo de. Nos (des)caminhos da Exu-poética: as encruzilhadas afrossurrealistas da criação de Criolo. 2020. 156f. Tese (Doutorado em Estudos Literários) Universidade Estadual de Londrina, Londrina, 2020.
BARTHES, Roland. Aula. São Paulo: Cultrix, 1978.
BARTHES, Roland. Roland Barthes por Roland Barthes. São Paulo: Estação Liberdade, 2003.
BARTHES, Roland. S/Z.. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1992.
CAPUTO, Stela Guedes. Educação nos terreiros: e como a escola se relaciona com crianças de Candomblé. Rio de Janeiro: Pallas, 2012.
CRIOLO. Ainda há tempo. São Paulo: Oloko Records, 2016. 1 CD. (28 min. 18 seg.).
CRIOLO. Ainda há tempo. São Paulo: SkyBlue Music, 2006. 1 CD. (69 min. 47 seg.).
CRIOLO. Convoque seu Buda. São Paulo: Oloko Records, 2014. 1 CD (31 min. 41 seg.).
CRIOLO. Espiral de ilusão. São Paulo: Oloko Records, 2017. 1 CD. (32 min. 14 seg.).
CRIOLO. Etérea. 2019. (4 min. 12 seg.). Disponível em: http://www.criolo.net/eterea/. Acesso em: 16 de jun. 2019.
CRIOLO. Nó na orelha. São Paulo: Oloko Records, 2011. 1 CD (51 min. 25 seg.).
CRIOLO; GANJAMAN, Daniel; NAVE. Boca de lobo. 2018. (3 min. 46 seg.). Disponível em: http://www.criolo.net/eterea/. Acesso em: 2 ago. de 2019.
CRIOLO; DINUCCI, Kiko. Mariô. In: CRIOLO. Nó na orelha. São Paulo: Oloko Records, 2011. 1 CD. Faixa 4. (5 min. 45 seg.).
CUTI. Negroesia. Belo Horizonte: Mazza Edições, 2007.
DERRIDA, Jacques. Posições. Belo Horizonte: Autêntica, 2001.
DERRIDA, Jacques. Mal de arquivo: uma impressão freudiana. Rio de Janeiro: Relume Dumará, 2001a.
DERRIDA, Jacques. A farmácia de Platão. São Paulo: Iluminuras, 2005.
EAGLETON, Terry. Teoria literária: uma introdução. São Paulo: Martins Fontes, 1983.
FERNANDES, Alexandre de Oliveira. Axé: Apontamentos para uma a-tese sobre Exu que jamais (se) escreverá. Tese (Doutorado) – UFRJ, Faculdade de Letras, Programa de Pós-graduação em Ciência da Literatura (Literatura Comparada), 2015.
FORD, Clyde W. O herói com rosto africano: mitos da África. Tradução de Carlos Mendes Rosa. São Paulo: Summus, 1999.
GONÇALVES, Petronilha Beatriz. Aprender, ensinar e relações étnico-raciais no Brasil. Educação, v. 63, n. 3, 2007.
GROSFOGUEL, Ramón. A estrutura do conhecimento nas universidades ocidentalizadas: racismo/sexismo epistêmico e os quatro genocídios/epistemicídios do longo século XVI. Sociedade e Estado. vol.31 no.1 Brasília Jan./Apr. 2016.
HADDOCK-LOBO, Rafael. Considerações sobre “Posições” de Derrida. O que nos faz pensar, Pontifície Universidade Católica (PUC), Rio de Janeiro. [S.l.], v. 16, n. 21, p. 66-77, july 2007.
LÖWY, Michael. A jaula de aço: Max Weber e o marxismo weberiano. São Paulo: Boitempo, 2014.
MACHADO, Vanda. Pele da cor da noite. Salvador: EDUFBA, 2013.
MBEMBE, Achille. As formas africanas de auto inscrição. Estudos Afro-Asiáticos, ano 23, n. 1, p. 171 – 209, 2001.
MBEMBE, Achille. Crítica da Razão Negra. São Paulo: N-1 edições, 2018.
MBEMBE, Achille. Necropolítica. São Paulo: n-1 edições, 2018a.
MOMBAÇA, Jota. Rastros de uma Submetodologia Indisciplina. Revista Concinnitas: Rio de Janeiro, v.1, n.28, p. 334-354, 2016.
NATÁLIA, Lívia. Correnteza e outros estudos marinhos. Editora Ogum´s Toques Negros, 2015.
OLIVEIRA, Rodrigo Lopes de Barros. Derrida com macumba: O dom, o tabaco e a magia negra. Dissertação (Mestrado). Programa de Pós-Graduação em Literatura, Teoria Literária, Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), Ilha de Santa Catarina, 2008.
PERRONE-MOISÉS, Leyla. Com Roland Barthes. São Paulo: Editora WMF Martins Fontes, 2012.
RUFINO, Luiz; SIMAS, Luiz Antônio. Fogo No Mato: A ciência encantada das macumbas. 1. ed. Rio de Janeiro: Mórula, 2018.
SÀLÁMÌ, Síkírù; RIBEIRO, Ronilda Iakemi. Exu e a ordem do universo. São Paulo: Oduduwa, 2015.
SANTOS, Boaventura de Sousa; MENESES, Maria Paula. Epistemologia do Sul. São Paulo: Cortez Editora, 2010.
SKLIAR, Carlos. Pedagogia (improvável) da diferença: e se o outro não estivesse aí? Rio de Janeiro: DP&A, 2003.
SOARES, Emanoel Luís Roque. As vinte e uma faces de Exu na filosofia afrodescendente da educação: imagens, discursos e narrativas. 2008.188f. Tese (Doutorado em Educação) – Universidade Federal do Ceará, Faculdade de Educação, Programa de Pós-Graduação em Educação Brasileira, Fortaleza-CE, 2008.
SODRÉ, Muniz. Santugri: histórias de mandinga e capoeiragem. Rio de Janeiro: José Olympio, 2011.
ZEVALLOS, Veronica Pilar. Ética do impossível: uma reflexão a partir da desconstrução. O que nos faz pensar: Pontifície Universidade Católica (PUC), Rio de Janeiro. [S.l.], v. 28, n. 44, p. 170-189, jul. 2019.