Ceticismo e tolerância em Montaigne

##plugins.themes.bootstrap3.article.main##

Flávio Miguel de Oliveira Zimmermann

Resumo

O ceticismo de Montaigne no campo prático e moral é caracterizado pela falta de um critério ou regras de conduta para que se possa consentir num padrão geral de comportamento ou numa tradição qualquer. O período no qual ele viveu era propício para reforçar este quadro: as guerras religiosas na França e em toda a Europa e a descoberta dos povos do Novo Mundo foram fatores fundamentais para o crescimento da dúvida filosófica acerca do comportamento individual e em sociedade organizada. Apesar disso, Montaigne denuncia as crueldades cometidas em seu tempo, seja entre os indígenas, seja entre os católicos e protestantes e, frequentemente, argumenta em favor da liberdade de consciência e opinião. Neste artigo mostrarei que a filosofia de Montaigne, não obstante seu ceticismo, é suscetível a uma ideia geral de tolerância entre diferentes povos e indivíduos, ainda que o conceito de tolerância não esteja sistematizado em seus escritos e que a sua defesa pareça incompatível com um determinado tipo de ceticismo.

##plugins.themes.bootstrap3.article.details##

Como Citar
ZIMMERMANN, Flávio Miguel de Oliveira. Ceticismo e tolerância em Montaigne. O que nos faz pensar, [S.l.], v. 28, n. 44, p. 190-217, july 2019. ISSN 0104-6675. Disponível em: <http://oquenosfazpensar.fil.puc-rio.br/index.php/oqnfp/article/view/635>. Acesso em: 09 mar. 2021. doi: https://doi.org/10.32334/oqnfp.2019n44a635.
Seção
Varia